Páginas

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Um pouquinho do Ecomuseu de Sepetiba

O ecomuseu de Sepetiba surgiu enquanto movimento no ano de 2008, formado por um coletivo de moradores e apaixonados por história e memória que buscaram a partir da divulgação da história e memória local a valorização do bairro de Sepetiba, localizado na Zona Oeste da cidade do Rio de janeiro.

A primeira ação realizada por este coletivo foi a comemoração pelos 441 anos do bairro, após pesquisa os membros do então “movimento Ecomuseu de Sepetiba" realizaram exposição de fotos e documentos acerca da história do bairro, bem como realizaram uma pequena ação de educação patrimonial com as crianças presentes neste evento.

Neste primeiro momento ainda não saberiam que estavam “fazendo museologia”, apenas “deram nome” às suas ações com a realização da roda de lembranças em outubro de 2009, incluída na programação da I jornada de formação em museologia comunitária realizada pela ABREMC (Associação Brasileira de Ecomuseus e museus comunitários) em Santa Cruz, bairro da Zona Oeste da cidade do Rio de janeiro. Neste momento ao conhecerem Hugues de Varine, e contarem suas ações e experiências descobriram que estavam “fazendo museologia comunitária”, e desde então se reconheceram enquanto processo ecomuseológico.

No ano de 2010 os membros deste coletivo iniciaram os passeios de Reconhecimento, passeios estes destinados inicialmente aos moradores do bairro e adjacências, pois objetiva o reconhecimento por parte destes, busca atingir o morador e assim desencadear um processo contínuo de valorização, enaltecimento e desenvolvimento local a partir da valorização dos patrimônios existentes no território que abarca.Neste mesmo ano recebemos a visita da museóloga e grande incentivadora Odalice Priosti, chamada por nós carinhosamente de “Doula”, que nos brindou com uma oficina intitulada “O que são ecomuseus e museus comunitários”,para melhor compreendermos o que estávamos iniciando.

No ano de 2012, esse processo culmina com a participação no IV Encontro internacional de Ecomuseus e museus comunitários realizado no mês de Junho em Belém/ Pará, com apresentação e publicação de trabalho, apresentação de Pôster e realização de oficina.Vale destacar que neste processo recebemos a visita do historiador francês e também nosso grande incentivador, Hugues de Varine três vezes, o que nos estimulou ainda mais e nos orientou como seguir esse caminho de reconhecimento.

No ano de 2013 os membros do agora “Ecomuseu de Sepetiba” determinam uma periodicidade para realização dos passeios de Reconhecimento e participam da 23ª Conferência internacional de museus  ICOM, realizada na cidade das Artes, localizada no bairro da Barra da tijuca , na cidade do Rio de janeiro, em agosto deste mesmo ano, com apresentação de trabalho no ICR.

Os agora chamados passeios de Reconhecimento e de Ecoturismo, já realizados mais de 50 vezes com uma média de 30 visitantes por passeio, são realizados todo primeiro domingo do mês e determinam uma localidade específica, saída da Praça Washington Luis, a praça que abriga o icônico coreto de Sepetiba, conhecido pela dramaturgia brasileira por ter sido palco dos discursos de Odorico Paraguassu, personagem emblemático da primeira novela em cores da TV brasileira, bem como ser conhecido como o coreto mais antigo da cidade, pois antes de sua transferência para Sepetiba no ano de 1949 em ocasião da inauguração da luz elétrica no bairro, foi inaugurado na praça XV de novembro, no Centro da cidade do Rio de janeiro, no ano de 1903, onde ficou até 1949. Nesta mesma emblemática praça encontra-se a Bica d'água inaugurada em 1928, iniciando o abastecimento de água encanada na região.

O quarteirão onde se localiza o referido coreto é de suma importância para os moradores do bairro devido ao fato de  ser um referencial para a história e memória local, pois nele encontrava-se a sede da companhia Ferro Carril,  “A casa de esquina” de Aureliano Coutinho, o visconde de Sepetiba, a colônia de pescadores Z-15, uma das mais antigas do estado, a Igreja de São Pedro, inaugurada em 1895, o Clube Regatas de Sepetiba, clube mais antigo do bairro e a simbólica cruz que desperta o imaginário local que encontra-se em frente a colônia de pescadores Z-15.

Neste mesmo quarteirão emblemático para o bairro também encontrava-se a antiga torre do incinerador da COMLURB, Companhia de limpeza urbana da cidade do Rio de janeiro, que vale ressaltar, sempre vem participando dos mutirões de limpeza e conscientização realizados pelo Ecomuseu de Sepetiba desde o ano de 2013. Mais à frente localizava-se a mais antiga escola do bairro, a Escola municipal Nair da Fonseca.

Após a história contada neste importante quarteirão do bairro os visitantes e moradores seguem em direção ao portão sul da base aérea de Santa Cruz, onde os “guias” (monitores) moradores do bairro, lembram as narrativas dos antigos moradores em frente a saudosa Praça da Iáiá, antiga moradora, caiçara (talvez retirar), que naquele local se sentava para descansar e onde hoje encontra-se uma pequena placa já danificada em sua memória, dali partem para o ápice deste passeio de reconhecimento, o caminho do antigo cais imperial, mas antes disso, os guias falam sobre a existência de três fortes construídos a mando de D. João VI em Sepetiba, o primeiro logo em frente a esta significativa praça, chamado forte de São Pedro, onde hoje localiza-se o Radar da Base aérea de Santa Cruz(ainda hoje ponto estratégico de observação), o segundo instalou-se na localidade conhecida como Santíssima Trindade até o final do século XX,  hoje Morro do mirante, chamado de Forte de São Paulo. E o terceiro no conhecido Morro do Ipiranga, que fica na divisão entre as conhecidas da praia do Recôncavo ou Dona Luíza e praia do Cardo. Esses fortes estão devidamente especificados no livro história das fortificações do Brasil.

O caminho do antigo cais imperial em Sepetiba possui aproximadamente 750 metros de extensão, percorrendo esta extensão os visitantes e moradores podem apreciar os patrimônios naturais desta localidade, o rico mangue, cheio de vida que mesmo em meio a toda degradação segue firme, com a presença das três espécies de mangue, preto, branco e vermelho, os sambaquis, que apontam e confirmam a presença indígena na região, auxiliando na compreensão da ocupação do litoral carioca, a baía de Sepetiba, que abriga a maior população de botos cinza da América latina, chegando ao antigo cais, de onde partiam vapores com destino à Paraty, Angra dos Reis e até mesmo Santos, de onde era transportada a mala real, o quinto do ouro dentre outros, no caminho também nos deparamos com a ilha do Marinheiro, antes ilha da Pescaria, cenário da tragédia ocorrida no ano de 1894/1895, o fuzilamento dos 21 marinheiros, durante o período da revolta da armada.

Também no ano de 2013 participamos a convite da Rede de  museologia social do Rio de janeiro da Teia Rural, realizada em  Lumiar (Nova Friburgo), fortalecendo nossa iniciativa e aprendendo com outras experiências.

O Ecomuseu de Sepetiba no ano de 2014, sem incentivos e apoio financeiro, apenas com o auxílio e contribuição de seus membros realizou seu primeiro colóquio,  "Ecomuseu de Sepetiba: Agindo, pensando e transformando ! Um Museu de ação !" Colóquio idealizado e organizado pelo Ecomuseu de Sepetiba com apoio do MTD (Movimento territórios diversos) e do Centro comunitário Santo Expedito e São Vicente de Paulo, neste importante evento para o fortalecimento da iniciativa recebemos a biomuseóloga baiana Rita de Cássia Pedreira e a mestre em memória social Inês Cordeiro Gouveia que faz parte da REMUS, rede de museologia social do Rio de janeiro.Neste mesmo ano realizamos ação de conscientização e limpeza em parceria no caminho do antigo cais com o instituto IEVA.

No ano de 2014 o Ecomuseu de Sepetiba esteve presente na Teia nacional da diversidade, realizada em Natal. Desde o ano de 2014 o Ecomuseu de Sepetiba participa da semana nacional de museus. No ano de 2014 o Ecomuseu de Sepetiba também esteve presente no Evento realizado pelo MAR (museu de arte do Rio) “Um mar de museus” apresentando sua experiência. Neste mesmo ano recebemos a visita de uma estudante polonesa interessada nos processos ecomuseológicos.

No ano de 2015 o Ecomuseu de Sepetiba esteve presente no V encontro internacional de Ecomuseus e museus comunitários, realizado na cidade de Juiz de Fora na UFJF, com apresentação de duas comunicações.

O Ecomuseu de Sepetiba vem realizando ações de educação patrimonial junto às escolas locais, como o CIEP Ministro Marcos Freire, O Centro Educacional Ordonez, Colégio Oliveira Mallet, Escola Municipal Nair da Fonseca entre outros desde o ano de 2014. Também tem participado do Fórum Rio (Ideias para a cidade metropolitana) desde a sua primeira edição, do Fórum Modelar a Metrópole dentre outros eventos que buscam debater e procurar soluções para a cidade.

No ano de 2016 o Ecomuseu de Sepetiba firmou parceria com a Rede Acordar de artesãs da zona Oeste, iniciou sua participação na Pastoral do meio ambiente de Sepetiba e participou apresentando sua experiência no Colóquio Cartografias artísticas e territórios poéticos organizados pelo Instituto Tear, também participou com apresentação de oficina da IV jornada de formação em museologia comunitária, realizada no Ceará, na cidade de Maranguape, Pacoti e Aquiraz. O Ecomuseu também esteve presente no Simpósio da Associação brasileira de Ecomuseus e museus comunitários em São José dos Campos, no ano de 2016.

No ano de 2016 também começamos  um trabalho muito gratificante com as marisqueiras do Recanto do Ipiranga, localidade de Sepetiba, realizamos um passeio de Reconhecimento pela Estrada da Estiva, localidade esquecida de Sepetiba, verificando o descaso das autoridades com o local, intermmediamos a participação do Escritor André Mansur no aniversário de Sepetiba com o lançamento do seu livro na semana de Sepetiba, e participação na semana de Sepetiba, participamos do plantio de árvores no bairro de Santa Cruz, realizamos uma visita técnica às ruínas do matadouro de Santa Cruz, fomos reconhecidos e tivemos matéria publicada sobre nossos passeios no jornal o globo/extra caderno zona oeste, também na página no Facebook.com do projeto COLABORA, fomos convidados do café literário do CIEP Ministro Marcus Freire, do Aniversário de 80 anos do Hangar do Zeppelin na Base aérea de Santa Cruz dentre muitos outros eventos e ações em que estivemos presentes ou fomos realizadores. Também recebemos um dos idealizadores do Pé de moleque roteiros culturais.

Vale lembrar que no decorrer dessses quase oito anos, também realizamos passeios de reconhecimento na APA das Brisas, bem como ações de conscientização ambiental, sinalização de trilha e limpeza por lá, além dos nossos já tradicionais mutirões de limpeza realizados no caminho do antigo cais, em Sepetiba.

Esses são apenas alguns dos nossos trabalhos, parcerias e realizações.

O ano de 2017 se inicia com o Ecomuseu de Sepetiba realizando mais um passeio de reconhecimento e de Ecoturismo mas incluindo aí a ação de conscientização e recolhimento de resíduos em parceria com a Comlurb, também serão realizadas ainda no mês de janeiro oficinas de artesanato com reaproveitamento de materiais e oficina de Pallet, bem como pretende-se ainda no primeiro semestre de 2017 realizar-se um simpósio durante a semana de museus no mês de maio, além de iniciar a parceria com o centro Comunitário Santo Expedito e São vivente de Paulo na biblioteca, que ao que tudo indica iniciará as atividades ainda em Fevereiro!















domingo, 24 de abril de 2016

Nosso recanto no Extra e no Oglobo! Nosso passeio de Reconhecimento! Viva a museologia comunitária! Viva Sepetiba!

Nosso passeio no Extra e no Oglobo!

Matéria de Nathalia Marsal! 









Passeio de reconhecimento pelo caminho do antigo Cais! Dia 3 de abril de 2016!